A Estória do VCC
Como identificar uma seita
Predestinação/Livre Arbitrio
Budismo
Catolicismo Romano
Confucionismo
Hinduísmo
Islamismo
Judaísmo
Taoísmo
Xintoísmo
A Família/Meninos de Deus
Adventismo
Candomblé
Católicos Carismáticos
Ciência Cristã
Congregação Cristã no Brasil
Cultura Racional
Espiritismo Geral
Espiritismo Kardecista
Feitiçaria
Hare Krishna
Igreja Messiânica
Igreja da Unificação - Reverendo Moon
LBV
Mormonismo
Nova Era
Racionalismo Cristão
Reencarnação
Satanismo
Seicho-No-Iê
Tabernáculo da Fé
Testemunhas de Jeová
Umbanda
Unicismo
Willian Soto Santiago
Maldição de Família
Teologia da Prosperidade
G12
Batalha Espiritual
Espirítos Territoriais
Cura Interior
 
 
 
 

O QUE É A UMBANDA

   

1 - INTRODUÇÃO

É, porém, inegável a proliferação verdadeiramente espantosa desses centros de superstição, depravação, degradação moral, em que se misturam práticas fetichistas e ritos católicos, deuses africanos e santos católicos, num sincretismo bárbaro de necromancia, magia, politeísmo, demonolatria e heresia.

E não julguemos que se trata de um movimento apenas entre a gente de cor. A absoluta maioria dos “chefes de terreiros” são brancos e as tendas também são freqüentadas pôr pessoas que vão até lá em carros do ano e até mesmo carros oficiais. Alguém poderia dizer que a umbanda é uma religião própria da classe inculta ou ignorante, haveria de diminuir na proporção em que crescesse o índice de alfabetização. Mas isto não acontece. Pois vemos entre os freqüentadores até gente de destacada posição social. Presidentes, Senadores, Ministros, Deputados, Prefeitos, Vereadores, artistas etc. O próprio Governo parece fomentar esse movimento como espetáculo de valor turístico.

2 - CONFUSÃO NA UMBANDA

Cada um procura fazer uma Umbanda a seu modo, e dentro do conceito que ele próprio imagina, de acordo com a sua instrução, com a sua capacidade de imaginação, com seus conhecimentos, e, quase nunca, com a orientação dada pelos seus próprios guias. Não somente cada autor, cada chefe de terreiro proclama: “A Umbanda que aqui se pratica, é muito diferente dessa Umbanda que se pratica pôr aí afora”. Pois: “Inúmeras são as contradições existentes entre os próprios praticantes da Umbanda..

Uns querem voltar ao mais puro africanismo; outros rejeitam energicamente todos os elementos africanos, outros pretendem ter encontrado a mais pura Umbanda nas religiões da Índia; nem falta quem declare que “o livro fundamental de Umbanda é a Bíblia, com o Antigo e Novo Testamentos, tal como estão escritos, não se admitindo interpretações simbólicas”.

3 - A PALAVRA “UMBANDA”

A confusão já se manifesta na explicação da origem do significado da própria palavra “Umbanda”. Há mil interpretações sobre a palavra Umbanda. Essa palavra é um constante e permanente desafio aos estudiosos do assunto. Uns dizem que é Luz Irradiante, outros dizem que é Banda de Deus, há os que dizem que é Corrente Espiritualista, Na Luz de Deus, Legionários de Deus, e vai por aí afora, porém tudo vago e indefinido, sem haver, entretanto, uma explicação cabal e convincente. O Dr. Artur Ramos já reconhece a palavra, que é de origem africana, designado o grão-sacerdote do culto banto ou invocador de espíritos. No catecismo de Umbanda diz que: “Umbanda é uma palavra africana, significando ora o sacerdote, ora o local onde se pratica o culto” — p. 7.

4 - UMBANDA É ESPIRITISMO

Existe grande desavença entre os adeptos do Espiritismo Kardecista (que aceita codificada por Allan Kardec) e os do Espiritismo Umbandista. Uns e outros fazem questão de dizer “espíritas”

Mas os primeiros declaram que foi Allan Kardec quem criou e fixou o termo para designar especificamente o Movimento Espiritualista pôr ele iniciado e que, por conseguinte, outros não podem usurpar a mesma designação para um movimento essencialmente diferente. É a razão por que reclamam o termo “espírita” para si exclusivamente. Nem por isso os umbandistas deixam de chamar-se “espíritas”. Podem alegar em seu favor que a Umbanda de fato não é ,essencialmente diferente do kardecismo.

Mas existe outra razão muito mais decisiva que nos permite identificar a Umbanda e o Espiritismo. Pois todos os umbandistas aceitam a doutrina ou filosofia kardecista da reencarnação. O umbandista acredita na lei das reencarnações, na lei da evolução das almas, aceita a “revelação” de Jesus Cristo. Dois pontos distinguem os umbandistas dos kardecistas: a.) a prática da comunicação dos espíritos dos mortos, b.) o ritual, muito complexo na lei de Umbanda, que é uma religião de culto externo.

5 - UMBANDA, A QUARTA REVELAÇÃO.

Aceitando embora integralmente a revelação kardecista, a Umbanda pretende, no entanto, aperfeiçoá-la e ultrapassá-la . Para os umbandista Kardec é grande, mas a Umbanda é maior. Moisés trouxe a primeira revelação, Cristo veio com a segunda revelação, Kardec declarou o espiritismo portador da terceira revelação, mas a Umbanda seria a última, a Quarta Revelação. Assim como Cristo retificou e superou Moisés, como Kardec corrigiu e suplantou Cristo, assim a Umbanda julga purificar e vencer Kardec, Cristo, e Moisés. É que eles, os umbandistas, tiveram a dita de entrar em relações com espíritos superiores aos daqueles que ditaram suas mensagens para Allan Kardec, espíritos “que possuem mais vastas concepção do universo e reconhecem a existência de outra ordem de espíritos (não humanos), cujas relações entre os mesmos e os humanos não deve ser apenas de mérito intercâmbio e sim de cultuação, o que exige (e mesmo que o contato seja estabelecido) uma verdadeira ritualística

6 - UMBANDA É MAGIA

Todos os autores umbandistas que tenham pesquisado definem este movimento como sendo magia; por exemplo: a Umbanda faz magia pôr intermédio das forças invisíveis, baseadas nas forças astrais, com rituais, preceitos, sinais cabalísticos, cânticos e outros elementos, como a água, o fogo, a fumaça, as bebidas, as comidas, os animais, apetrechos apropriados, etc. O umbandista poderia ser comparado com os “alquimistas, feiticeiros, advinhos, pitonisas do passado.

O espiritismo kardecista evoca os espíritos para deles ter notícias, obter comunicações doutrinárias, ou ainda, quando se trata de espíritos atrasados, para instruí-los; mas não existe a idéia de fazer certos “trabalhos” a favor ou contra determinadas pessoas. A Umbanda porém, vai bem mais longe,: no culto aos exus, considerados “os agentes mágicos universais que estes espíritos são evocados pôr meio de ritos, sinais cabalísticos (“pontos riscados”) , versos evocativos (“pontos cantados”) e objetos ( galos, galos pretos, charutos, cachaça, velas, etc.) que lhe são oferecidos (“presentes”, “despachos”) para conseguir que se ponham ao serviço do homem e façam ou desmanchem determinados “trabalhos”. E isso é magia no sentido mais estrito da palavra.

Ora, tanto a necromancia dos kardecistas, como a magia dos umbandistas, foi proibido por Deus. Eis alguns exemplos: Lv 20:6; Lv 19:31; Dt 18:12-14; At 8:9-11; At 13:10; At 19:10.

7 - UMBANDA E QUIMBANDA

Querem alguns distinguir entre Umbanda e Quimbanda, dizendo que ambos praticam a magia, sim, mas com a diferença de que em Umbanda ela é feita apenas para o bem (e seria a Magia Branca) e em Quimbanda (Magia Negra) os trabalhos seriam exclusivamente maus.

Na sua essência íntima, a Quimbanda é em quase tudo idêntica ao que se cultua na Umbanda.

Quando alguém procura a Quimbanda, procura porque quer fazer trabalhos; por exemplo: “para obrigar o namorado ou amante a voltar a se casar; para amarrar o homem com a mulher; para que o marido se conforme com a mulher ter o seu amante; para uma mulher tirar o homem da outra; para que o homem só tenha potência para uma mulher; para amarrar a vida e negócio dos outros e os arruinar; para obrigar outros a fazer o que não é justo; para castigar os inimigos, pô-los doentes ou então matar, etc. Essas pessoas recorrem aos serviços dos exus que também são cultuados na Umbanda, sendo que na Quimbanda só trabalham com os exus.

8 - UMBANDA É A NEGAÇÃO DO CRISTIANISMO

Já vimos que a Umbanda, em sua prática da evocação dos espíritos e em seus trabalhos de magia (branca ou negra, tanto faz) desobedece a Deus, revoltando-se contra uma ordem clara e repetida do Criador. Verificamos que a Umbanda, em sua doutrina panteísta, contesta e deve contestar toda uma longa série de verdade cristãs a respeito de Deus: Nega a Trindade, a existência de um Deus pessoal e distinto do mundo; a divindade de Jesus, a redenção por Cristo, a Graça de Deus, a ressurreição de Cristo, o juízo depois da morte, a ressurreição final de todos os homens, a existência do inferno, dos demônios, do diabo etc.

Tudo isso, em outras palavras, é a negação total da doutrina cristã e por isso do Cristianismo.

9 - A HIERARQUIA EM UMBANDA

Não existe uniformização de ritual dentro dos vários terreiros. A extrema complexidade dos ritos para a evocação mágica dos orixás, eguns e exus, ou para outros “trabalhos espirituais de caridade”, reclama numeroso pessoal, suficientemente instruído e habilitado. É necessário tomarmos conhecimento da terminologia própria da Umbanda e das atribuições dos vário graus da hierarquia umbandista:

a. O chefe principal — ou chamado chefe do terreiro, é denominado geralmente “Pai de Santo” (tradução literal de babalorixá: baba = pai, orixá = santo) ou babalaô, babaloxá, babaluê, ou ainda: cacique, príncipe de Umbanda, senhor de Olorum; quando for mulher, é “Mãe de Santo”, ou simplesmente baba

b. Ogãs — homens que auxiliam diretamente o babalaô, tratando do cerimonial, dirigindo os trabalhos de incorporação dos médiuns, entoando os pontos cantados e zelando pela perfeita ordem do terreiro; conhecem as forças das ervas, os segredos e os efeitos dos pontos riscados, a comida dos Santos e sabem manejar a faca para sacrificar os animais. Quando mulheres, tem o nome de jabonan, jibonan ou “Mãe pequena”, que são encarregadas também de dirigir as danças e devem ocupar-se com as mulheres.

c. Cambones, cambonos ou cambandos e as sambas. Todos são “Filhos ou Filhas de Santo”. São auxiliares, competindo-lhes abrir o terreiro, receber qualquer babalaô, enxugar o rosto dos médiuns, evitar que se machuquem, socorrê-los quando em transe, ajudar nas danças e cantar para as grandes cerimônias. Os cambones prestam auxilio aos homens, as sambas as mulheres.

d. Médiuns, julgados em condições de incorporar ou receber os Orixás Menores. Na Umbanda esses médiuns, quando incorporados, são chamados também cavalos, aparelhos, moleques, etc.

Segundo a doutrina umbandista ele é chamado de cavalo porque o médium é realmente o cavalo de que se serve o cavaleiro (o guia, espírito ou orixá) para percorrer o caminho dessa nova espécie de apostolado da mentira: ensinar aos filhos da Umbanda a “vereda da luz”. Todo cavalo depois de domado, tem o seu cavaleiro; assim todo o cavalo de Umbanda , depois de desenvolvido, tem seu guia seu cavaleiro de Aruanda.

10 - INSTRUMENTO DA MAGIA UMBANDISTA

Está em uso uma infinita variedade de instrumentos na Umbanda, para a prática da Magia: Vestimentas as mais variadas, tambores, chocalhos, pembas de todas as cores (pedra de giz), ponteiros (punhais de aço), moringues de barro, velas de cera, fitas de seda, barbante (linha

crua), conchas marinhas, estrelas do mar, defumadores de toda as espécies, flechas, capacetes de penas (cocares), guias (colares de contas), plantas e raízes, charutos e cachimbos, fumo de rolo, pombos pretos, galos vermelhos ou pretos, sangue de boi, farofa de farinha de mandioca, bebidas, cervejas, várias espécies de vinhos, marafa (cachaça), azeite de dendê, mel de abelha, pólvora, carvão, enxofre em pedra ou pó, perfumes e essências, etc.

11 - JOGOS DE BÚZIOS

Muitos vão ao terreiro pedir ao “Pai de Santo” que “bote os búzios”, isto é, que interrogue os espíritos sobre determinado problema, sobre a natureza de alguma aflição ou doença, sobre o êxito de certos negócios, inclusive para resolver problemas políticos. “Búzios” ou “buzos”são pequenas conchas marinhas, por meio das quais os babalaôs se comunicam com os espíritos. Os búzios, depois de apanhados na praias, recebem um batismo, os búzios assim consagrados, são guardados dentro do altar. Normalmente o número de búzios é 12, mas este número pode aumentar até 16 ou 20. Os búzios recebem cada um o nome de um Orixá.

Doze búzios são convincentemente preparados pelo babalorixá; para se saber de alguma coisa, fecham-se os búzios na mão direita e depois, abrindo esta, como quem está jogando dados, atiram-se os búzios sobre a mesa. Os búzios formam então várias figuras, que são interpretadas pelo babalorixá. Quando o babalorixá está jogando os búzios, há sempre espírito junto dele e do consulente. Esses espíritos auxiliam o babalorixá a interpretar as figuras muito complicadas. Antes de iniciar a adivinhação, o babalorixá dirige uma pequena prece ao seu Guia e ao Guia do consulente. Estas consultas devem ser pagas e aí há muita exploração.

 
   
 
 
 
CREIA ® Centro Religioso de Estudos e Informações Apologéticas -2005 - Desenvolvido por Paulo Roberto